domingo, 19 de maio de 2013

Para tanto, não serve, o meu diploma.

Lendo uns versos trocados e com um vinho
Eu revolvo o baú da nossa história
Com lembranças da nossa trajetória
E um retrato tirado em nosso ninho.
Sinto apenas, faltar-me teu carinho
Pelas dores do peito meu ferido
E por todo o passado já vivido
Se a saudade que tanto desconforta
Te fizer vir bater à minha porta
Te direi, novamente, fui vencido!

Os meus pés também gelam de saudade
Não há mágoa nenhuma que resista
Há um palco de luz pra todo artista
Que ilumina a poesia à claridade
Faço versos falando-te a verdade
Do sentir compulsivo que me toma
Meu perfume me lembra o teu aroma
Na essência do amor mais verdadeiro
Só preciso de um pouco do teu cheiro
E pra tanto, não serve, o meu diploma.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...