sexta-feira, 3 de maio de 2013

E o baú de saudade que eu carrego Tá pesado demais pr'eu carregar.

Mas, se eu perceber que nâo aguento
Que o fardo da ausência está pesado
Lamentando esse fim inesperado
Já cansado de tudo eu paro e sento
Dispensando desculpa ou argumento
Eu respondo pra quem me perguntar,
Eu já ando cansado de negar
E a partir de agora eu nâo mais nego:
Que o baú de saudade que eu carrego
tá pesado demais pr'eu carregar.

Cicinho Moura

Nesse mote 'de peso' do poeta Cicinho Moura eu tentei assim:

Nessa estrada que leva ao coração
Transportei suas juras insinceras
Colhi rosas de lindas primaveras
Mas, enchi de saudade um matulão
Trabalhei dia e noite, fiz serão
Fiz mil talhos na mão pra calejar
Com martelo tentei lhe arrancar
Mas, saudade chegou torcendo o prego
E o baú de saudade que eu carrego
Tá pesado demais pr'eu carregar.

Nossa história bonita se encerra
Sem haver entre nós um só culpado
(Que esse lance 'de nós' só deu errado
Pela ausência do laço, que nos cerra...)
Fomos cúmplices maiores desta terra
Mesmo longe de haver algum lugar
Fui um tolo, e cheguei a duvidar
Mas, depois percebi que fui um cego
E o baú de saudade que eu carrego
Tá pesado demais pr'eu carregar.


Pedro Torres
Mote: Cicinho Moura
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...