quarta-feira, 15 de maio de 2013

Adubei com as cinzas uma semente Sem saber que adubava uma saudade

Na fogueira que fiz do meu passado
Juntei juras, retratos e um desenho
Gastei álcool, um fósforo e com empenho
Queimei tudo no fogo devotado
Na moldura da caixa decorado
Uma história de amor pela metade
Hoje pago essa conta da maldade
Do meu ato, estúpido e inconsequente
Adubei com as cinzas uma semente
Sem saber que adubava uma saudade

Queimei todos os sonhos de menina
Num incêncio que fiz dentro do peito
Hoje quero voltar mas não tem jeito
Escondi-me no sol de uma neblina
Nessa vida de sonhos bailarina
Me perdi pela estrada da ilusão
Se recordo de nós uma canção
Uma lágrima me banha de saudade
Fiz fogueira da minha vaidade
Na caixinha, se foi meu coração

Ana Clara
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...