quarta-feira, 24 de abril de 2013

Tempo frio.

Nos retalhos dos versos que te fiz
Tão tecidos de rimas no improviso
Toda a paz que eu tanto realizo
No abraço sincero que me diz
Com teus olhos me beija e faz feliz
Pro borrifo espraiado da paixão
Pra batida veloz do coração
Sem ter força maior na natureza
Perfumados com toda singeleza
"Se acalmando depois da explosão"

Faz de mim um tantinho da emoção
Com que coses a rima da poesia
Dá-me um beijo com toda a fantasia
Desses bosques de amor do coração
Traz-me o encanto bonito da paixão
Pros meus olhos sorrirem de desejo
Tanto tempo já faz que não te vejo
Que a saudade batendo me maltrata
Me machuca, ferindo, mas não mata
Na certeza maior desse teu beijo

Vem cuidar do meu pobre coração
Que sozinho congela de saudade
Me preenche o vazio de vontade
Vai embora depois sem ter perdão
Traz de novo pra minha solidão
Todos sonhos que a gente teve outrora
Que o meu peito sorrindo ainda chora
Pela falta que sente do carinho
E do beijo que davas bem cedinho
No primeiro sinal da nossa aurora

Vem! Me mata de amor devagarinho
"Mas, que pressa que tens de me matar?!"
Deixa um pouco de mim nesse lugar
Não desforra esse chão do nosso ninho
Sinto o gosto do beijo, no cantinho
Do sorriso mais cínico de tua boca
Minha voz de gritar-te fica rouca
De vontade, de sede e de desejo
E não para jamais de me dar beijo
Pois, senão minha alma fica louca

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...