sábado, 27 de abril de 2013

Que eu não posso escolher o que sentir Mas, eu posso escolher o que fazer

De uma frase de Shakespeare, à pedido da conterrânea, eu fiz:

Na balança dos erros cometidos
Você ganha de mim de dez a zero
Já quis muito você, mas, hoje eu quero
Nossos planos de vez ser esquecidos
Recaídas de beijos comovidos
Lhe prometo não mais acontecer
Nesse caso que agora eu vou varrer
Pra distância mais longe que existir
Que eu não posso escolher o que sentir
Mas, eu posso escolher o que fazer

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...