segunda-feira, 22 de abril de 2013

Das esperas

Nós passamos um tempo complicado
De segredos, ciúmes e lonjuras
Duvidamos também das nossas juras
Mas, guardamos no peito reservado...

Respeitamos o prazo ultrapassado
Nessa espera infindável das censuras
Nosso caso pintado, sem molduras
Pelo cinza do medo desbotado...

Nossas almas e juras mais sinceras
Se escondendo na sombra das quimeras
Nos causaram um grande contratempo

Entregamos os sonhos pro depois
Pra vingarmos o sonho de nós dois
Na vingança maior do próprio tempo

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...