sexta-feira, 12 de abril de 2013

Amor meu,

Amor meu,

Amor meu, beija-flor, viu primavera
Nestes dias doídos e trisonhos
Me trazendo seus mais floridos sonhos
Pro cansaço sutil depois da espera...
Personagens, de bosques e quimera
Que encontraram meu peito ressequido
Por um céu mais sincero e colorido
Fez surgir mil estrelas multicores
Beija-flor vem beijar as minhas flores
Que o jardim do meu peito está florido.

Me apeguei sem querer me apegar
Pois, seu caso foi muito complicado
Por viveres voltada prum passado
Mas, passado, que nunca irá voltar
Existimos, do verbo de se amar
E 'nós dois', não foi só um passatempo
Depois rimos de todo o contratempo
Pela música que a vida nos compôs
Que pra gente de novo ser nós dois
Deveríamos voltar pro mesmo tempo

Na barragem do peito quando escoa
"Uma lágrima faz cócegas na face"
E a saudade no peito então renasce
Pela força do canto que ele entoa.
Se essa voz do cantar mais forte ecoa
Salta o grito sonoro mais antigo
Faz do abraço sincero e mais amigo
Ter calor que lhe aquece até a alma
Encontrei novamente a minha calma
"Mas, eu tento cantar e não consigo."

E esperei muito tempo que a vontade
Pela força do amor nos reatasse
Que a represa dos olhos se sangrasse
Pro deságue perfeito da saudade...
Nunca houve entre nós qualquer maldade
Fora o tempo deixado pro depois
Que a distância que a vida nos impôs
Fez de lágrima 'esse rio' que chorei
E na barragem do peito represei
Sentimentos guardados de nós dois

Te esperei, esperaria, e inda espero
Todo tempo que a vida demandar
Se de novo no acaso eu te encontrar
Te darei meu abraço mais sincero
Sempre quis, quererei, e inda quero
Teu calor fazer casa em meu abraço
E não há nada que afrouxe o forte laço
De uma história de amor que recomeça
"Acontece que a história não tem pressa
E o amor se conquista passo a passo..."*

Sem ter pressa e fundado em confiança
Nossa história aos pouquinhos vira história
Temos já bons momentos na memória
E uns olhares trocados por lembrança
Sem temermos períodos de mudança
Apertamos mais forte o nosso laço
Nosso peito reclama o nosso abraço
Duas almas se enlaçam na promessa
"Acontece que a história não tem pressa
E o amor se conquista passo a passo..."*

Pedro Torres
Mote: Alceu Valença

*Mote de Alceu Valença, em Romance da Bela Inês
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...