terça-feira, 12 de março de 2013

Que eu não quero saber de furar olho Dos 'amigos' que tens às encobertas

Nosso caso de amor não é negócio
Pra esperar ser um dia comtemplado
Nessa espera eu fiquei amargurado
Por pagar as parcelas do consórcio
Mas, não quero saber de nenhum sócio
Dividindo este amor que me ofertas
Se deixei pra você portas abertas
Tão fechadas de chave e de ferrolho
Que eu não quero saber de furar olho
Dos 'amigos' que tens às encobertas

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...