sábado, 16 de março de 2013

Que a borracha do tempo nuca apaga As histórias escritas com amor

No mote do Poeta Jailton Lopes eu tentei:

Rabisquei nossa história em um caderno
Dez matérias sem ter a divisão
Cada folha rabiscada com emoção
No desenho de um grande amor eterno.
Corações em caneta multicor
Em vermelho uma flecha rubra cor
Capa dura pra ver se não se estraga
Que a borracha do tempo nuca apaga
As histórias escritas com amor

E na escola que nós dois estudamos
Tão as marcas escritas nessa banca
No 'erro ex' daquela tinta branca
Tá teu nome e o meu que nós pintamos.
Decalcamos os sonhos que sonhamos
No papel do chiclete de transpor
Um decalque impresso no vapor
Que é sem preço, e eu nem queria a paga
Que a borracha do tempo nuca apaga
As histórias escritas com amor

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...