quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

Quem quiser ter saudade do meu tanto Sofra e ame do tanto que eu amei

No mote do Poeta Zé Ilton:

Entreguei à mais linda criatura
Todo amor que eu pude, sem ter mágoas
Como um rio caudaloso cujas águas
Se atravessa sem se saber a fundura
Não tem jeito, é sem jeito, não tem cura
Eu sorri, disfarcei, até brinquei
Mas, não sei se algum dia esquecerei
O motivo maior desse meu pranto
Quem quiser ter saudade do meu tanto
Sofra e ame do tanto que eu amei

Pedro Torres

3 comentários:


  1. A mulher que um dia já foi minha
    me obriga dizer-lhe essa verdade
    o que fiz foi lhe dar felicidade
    lhe amando e chamando de rainha
    Eu não sei porque quis ficar sozinha
    esquecendo de tudo o que lhe dei
    Mas confesso que nunca esquecerei
    que um dia ela foi meu agapanto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    sofra e ame do tanto que eu amei

    Hoje estou magoado por ter sido
    rejeitado e é por isso que lamento
    Só quem pode medir esse tormento
    é quem ama e não é correspondido
    O veneno em meu coração ferido
    envenena os sonhos que sonhei
    Mas as mágoas que nunca confessei
    nem com um desabafo eu suplanto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    sofra e ame do tanto que eu amei

    Ela retribuiu com seu desprezo
    o amor que não dei a mais ninguém
    O punhal afiado do desdém
    desferiu no meu peito indefeso
    Vou sentindo nos ombros todo peso
    da saudade que nunca suportei
    O meu drama pungente transformei
    no lamento dos versos que eu canto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    sofra e ame do tanto que eu amei

    Se anseio um futuro mais risonho
    e procuro mantê-la nas lembranças
    é porque não perdi as esperanças
    mas se ainda me ama não suponho
    Eu só posso revê-la quando sonho
    mas se são pesadelos eu não sei
    Recordando das cenas que sonhei
    do meu leito chorando me levanto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    sofra e ame do tanto que eu amei

    Sempre que conversamos sou sincero
    quando a peço que volte para mim
    Eu não sei desse enredo qual o fim
    mas é esse o desfecho que espero
    Só lhe falo do tanto que a quero
    e me dê seu perdão se eu errei
    Quando vão vicejar inda não sei
    as sementes do sonho que eu planto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    sofra e ame do tanto que eu amei

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disse bonito Poeta!

      Parabéns pela belíssimas glosas!

      Excluir
  2. E assim vou vivendo entristecido
    Nos meus dias não tem felicidade
    A angustia todo meu peito invade
    Ela não sabe o quanto sou sofrido
    E por isso vivo triste e esquecido
    Se de mim ela lembra eu não sei
    Esse amor esquecer eu já tentei
    Seu sorriso pra mim foi um encanto
    Quem quiser ter saudade do meu tanto
    Sofra e ame do tanto que amei.

    //Anizio.Ds

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...