sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Quem pagou essa conta da saudade Foi quem mais colocou amor na mesa

Meu banquete de amor tinha fartura
Tinha afagos carinho e atenção
Uns pedaços quentinhos de paixão
Numa mesa bem posta de ternura
Creditei a você a falsa jura
Não cheguei a provar da sobremesa
Assumi por você toda a despesa
Que você não bancou nem a metade
Quem pagou essa conta da saudade
Foi quem mais colocou amor na mesa

Dediquei pra você meu coração
Versos ditos, na chama do improviso
Do fogão dos pecados ao paraíso
Nossa ceia de amor tinha emoção
Apagadas as chamas da ilusão
Vi você me tratar nessa frieza
Pra valer-se de alguma esperteza
Não chegou para a hora da verdade
Quem pagou essa conta da saudade
Foi quem mais colocou amor na mesa

Pedro Torres

O poeta Cicinho Moura pegou o meu mote e fez essa belezura de estrofe:

Se não há igualdade no amor
Quem der mais vai sair no prejuízo
Pra que tudo dê certo é preciso
Que não haja o tal ''saldo devedor''
Pois se houver sentimento enganador
Vai pesar no extrato da tristeza
E que fez sua parte,com certeza
Não recebe o que deu pela metade
Quem assume essa conta de saudade
É quem mais colocar amor na mesa.

Cicinho Moura
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...