quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

Fiz da curva do braço o travesseiro Pra você cochilar de madrugada

A saudade faz cócegas na face
No caminho que a lágrima percorre
Toda vez que a lembrança sua ocorre
Recordando daquele nosso enlace...
Não espero que um dia essa dor passe
Por lembrar-me da noite enluarada
Com a cama de amores desforrada
No momento tocante de um cheiro
Fiz da curva do braço o travesseiro
Pra você cochilar de madrugada

'Pra você cochilar de madrugada
Fiz da curva do braço o travesseiro'
No momento tocante de um cheiro
Com a cama de amores desforrada
Por lembrar-me da noite enluarada
Não espero que um dia essa dor passe
Recordando daquele nosso enlace..
Toda vez que a lembrança sua ocorre
No caminho que a lágrima percorre
A saudade faz cócegas na face

Pedro Torres

4 comentários:

  1. Respostas
    1. Diz isso não rapah.. kk

      Essa dor é 'doedeira' demais. Tanto que tenho aqui de sentir de ser bom e sem vingar. rs

      Adoro tua presença aqui no blog. Cheiro bem grande pra tu!

      Excluir
    2. rsrrs..Acho que gosto da dor do amor, sem ela pra mim parece não ser verdadeiro, há de se sentir dor.beijo!!

      Excluir
    3. É aquela eterna nossa maior contradição humana. O amar e fingir-se não querer. Como não dar o braço à torcer, porque já retorcido dentro da gente.

      É um silêncio nosso, e só nosso. E dói talvez por isso, por este braço já retorcido.

      ‎"Triste coisa é querer bem
      A quem não sabe perdoar
      Acho que sempre lhe amarei
      Só que não lhe quero mais

      Não é desejo, nem é saudade
      Sinceramente?! nem é verdade..."

      Renato Manfredini Junior

      Cheiro! rs

      Pedro.

      Excluir

Direito à Réplica Poética...