domingo, 24 de fevereiro de 2013

Enterrei um passado no meu peito Dos escombros porém ressuscitou

No quintal do meu peito eu atirei
A carcaça de um amor assassinado
E os meus dias ficaram assombrados
Por fantasmas de sonhos que sonhei
Não querer nunca mais (eu lhe jurei)
Mas, parece que o monstro se esquivou
E na bagunça de tudo, revelou
Evidências de um crime imperfeito
Enterrei um passado no meu peito
Dos escombros porém ressuscitou

Pedro Torres

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...