segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

E restou-nos de todo o amor vivido Conjugá-lo em pretérito imperfeito

Foste tu, minha Dama, a que eu amava
No castelo imortal da poesia
Mas, por culpa da tua teimosia
Nosso amor lentamente se acabava
E os carvões da paixão que se abrasava
Pouco a pouco, viu seu calor desfeito
Toda a lenha do amor que há no peito
Virou cinzas de um coração partido
E restou-nos, de todo o amor vivido,
Conjugá-lo em pretérito imperfeito!

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...