sábado, 5 de janeiro de 2013

Versinhos à quatro mãos

P. Eu mandei consertar meu coração
C. Que a tempos batia sem compasso
P. Na oficina de amor em descompasso
C. Pois fui vitima de uma colisão
P. Fui culpado de andar na contramão
C. E multado por minha incompetência
P. Mas, depois que voltou da assistência
C. Retomou o compasso da batida
P. Eu jurei que jamais em toda vida
C. Guiarei coração com imprudência

Pedro Torres e Cicinho Moura

C. Desgraçada porque fizeste isso
P. Tuas juras de amor foram fingidas
C. Com promessas de amar-me diluídas
P. Sem querer sequer um compromisso
C. Eu perdi o meu tempo e meu serviço
P. Trabalhando num amor de falsidade
C. Hoje vivo na sombra da maldade
P. Pois o sol que era quente se escondeu
C. Mas, se queres voltar saiba que eu
P. Te espero mortinho de saudade.

Pedro Torres e Cicinho Moura

P. Nos meus sonhos eu já não tenho paz
C. Penso até que alugou a minha mente
P. Toda hora em mim está presente
C. Só eu sei dessa falta que me faz
P. Nossa história gravada nos anais
C. Me faz ver o passado sempre perto
P. E a saudade no peito deixa certo
C. Que pra sempre eu irei pensar em nós
P. Abraçados debaixo dos lençóis
C. E ouvindo um "Romance no Deserto"

Pedro Torres e Cicinho Mora

D-O vento tão forte me lembra teu cheiro
P-E a chuva caindo molhando o sertão
D-Livrando do mal e da sequidão
P-Trazendo bonança pro nosso terreiro
D-Mandada por Pedro o nosso guerreiro
P-Fazendo a chuva depois desabar
D-Os trovões se tocam e faz clarear
P-Parecem as nuvens sorrindo brilhando...
D-Orquestras de sapos se alegram cantando
P-Cantando as chuvas distante do mar

Dayane Rocha e Pedro Torres

P. A chuva caindo no nosso sertão...
C. Renova a esperança no povo da roça
P. Eu lembro da praia em uma palhoça
C. A brisa do vento e o som do trovão
P. são as cornetadas desse guardião
C. Que toca as cornetas pra nos acordar
P. trazendo a esperança pro nosso lugar
C. Expectativa para a nossa gente
P. De ficar alegre, sorrindo contente
C. Cantando galope bem longe do mar

Pedro Torres e Cicinho Moura

P. Você já incomodou meu pensamento
D. Arrancando de mim a minha paz
P. Mas, não quero lembrar-me nunca mais
D. E por isso eu fiz um juramento
P. Que chiclete mascado e grudento
D. Jogo fora pois perdeu o seu sabor
P. E lembrar de você só causa dor
D. Eu não quero viver só de ilusão
P. Machucando sem dó meu coração
D. Maltratando o que resta desse amor

Pedro Torres e Dayane Rocha

D. Minhas asas cansadas de voar
P. Procurando seguir outro caminho
D. Vai tentando achar um novo ninho
P. Pro meu peito poder se aconchegar
D. Pra essa dor que eu sinto amenizar
P. E pousar numa flor mais perfumosa
D. Que se torne pra mim bem valiosa
P. Como a flor mais bonita do jardim
D. E sentir a fragrância de um jasmim
P. No cálice da pétala cheirosa

Pedro Torres e Dayane Rocha

P. Um bem querer existia
C. Mas como tudo tem fim
P. Aquela flor do jardim
C. Foi murchando a cada dia
P. Por falta de harmonia
C. Murchou vagarosamente
P. Não há flor que se sustente
C. Na quentura do deserto
Nosso caso não deu certo
Mas, não foi culpa da gente

Pedro Torres e Cicinho Moura
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...