segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Tatuei as lembranças do passado Pra borracha do tempo não limpar.

Ainda pelejando no mote da Poetisa Erivoneide Amaral eu fiz:

Tatuei as marcas desse amor
Desenhadas no símbolo do infinito
Nossa história de enredo tão bonito
Foi gravada por um tatuador
No meu ombro eu gravei de rubra cor
O teu cheiro e o gosto de te amar
E o teu jeito tão lindo de me olhar
Fiz no peito de sonhos tatuado
Tatuei as lembranças do passado
Pra borracha do tempo não limpar.

Pedro Torres

Deixei marcas expostas de nós dois
pra que nada se desse por perdido
esse amor que era bom e escondido
exibimos pro povo só depois
pra dizer a notícia ele se pois
mas depois começou a se afastar
esse elo entre nós, tentou quebrar
super bond colou e bem colado
tatuei as lembranças do passado
pra borracha do tempo não limpar.

Dayane Rocha

Apesar desse término repentino
Eu aceito esse fim, infelizmente
Pois não tenho poder suficiente
Pra lutar contra a força do destino
Mas o toque do seu cabelo fino
O seu cheiro e a forma de amar
Toda vez que insisto em relembrar
O coração chega bate acelerado
Tatuei as lembranças do passado
Pra borracha do tempo não limpar.

Cicinho Moura
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...