quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Por debaixo dos panos eu te amei Hoje a dor que eu sinto é de saudade.

No mote:

Por debaixo dos panos eu te amei
Hoje a dor que eu sinto é de saudade

[Anonimo]

Entre quatro paredes eu fui sua
Nossos corpos unidos sobre a cama
Era um cavalheiro e uma dama
Dividiram esta noite com a lua
Bem baixinho eu dizia: eu sou tua
Era algo tão puro e de verdade
Tão real na maior simplicidade
Registrado em meu peito eu deixei
Por debaixo dos panos eu te amei

Inda lembro dos beijos bem molhados
Tuas mãos conhecendo o corpo meu
Eu sentindo o calor do corpo teu
Mil abraços por nós foram trocados
Os olhares ficaram registrados
Mas, a cama não tem mais validade
Tu se foste levando uma metade
E com a outra metade eu fiquei
Por debaixo dos panos eu te amei
Hoje a dor que eu sinto é de saudade

[Anonimo]

Nossos corpos febris todo suados
Nos lençóis que pintamos nossa arte
Queimaduras de brasa em toda parte
Na fogueira ardente dos pecados
O perfume por nós dois exalados
Perfumavam o ambiente de vontade
Acabou-se, porém, a alacridade
E sozinho no quarto eu chorei
Por debaixo dos panos eu te amei
Hoje a dor que eu sinto é de saudade

Um romance vivido em segredo
Evitando que a inveja dominasse
Um ao outro, para que nada faltasse,
Trabalhamos bem firmes nesse enredo.
Mas, o caso de amor terminou cedo
Por não termos a plena liberdade
Nós perdemos a nossa felicidade
Tu partiste sozinha e eu fiquei
Por debaixo dos panos eu te amei
Hoje a dor que eu sinto é de saudade.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...