sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

O silêncio da noite é quem tem sido Testemunha das minhas amarguras

Para a Primeira Dama da Poesia do Pajeú, Severina Branca, eu fiz estas humildes estrofes nos motes dela e no mote da Poetisa, neta de Zé de Cazuza, ou filha do filho dele, Ágda Moura.

Logo agora que amanheceu o dia
O meu peito de dor se escureceu
Me lembrando de quem já se esqueceu
Que me disse jamais esqueceria...
Já não mais me apetece a poesia
E não ouço, também, as falsas juras
Que ouvia nos tempos das venturas
De quem disse jamais ter-se esquecido
O silêncio da noite é quem tem sido
Testemunha das minhas amarguras

Vou sangrando em minh'alma esta ferida
Desta chaga que em mim ficou aberta
No silêncio maior ela secreta
Dos fedores maiores dessa vida!
E assim, por eu ser a mais sentida,
Vou buscando alívio pras torturas
E uma luz que me livre das negruras
Do existir por lembranças perseguido
-No silêncio da noite que tem sido
Testemunha das minhas amarguras¹-

Já não tenho em mim mais esperança
Não consigo brincar de ser feliz
No viver torturante, por um triz,
Eu me lembro de quando fui criança
Só o fel desse peso na balança...
E, se ganho uma bonequinha branca
Vem o cão da saudade e lhe arranca
E nem deixa eu brincar de ser menina...
Que o escuro da vida severina
Foi severo com Severina Branca...

Eu gozei pueris facilidades
Permitidas por via da minha tez
E senti no meu corpo a maciez,
Dos romances de efemeridades...
Depois disso eu só tenho saudades
Que eu sinto como se na alavanca
Da pesada e mui ingrata chibanca
Destocassem as raízes da minha sina
Que o escuro da vida severina
Foi severo com Severina Branca...

Tantas vezes me lembro a alacridade
De uns dias remotos que vivi
Dos amores fugazes que senti
Que meu peito ribomba de saudade...
Eu sentindo a prisão da vil idade
No escuro dessa vida que me espanca
Na lembrança carrasca que me tranca
Nos porões de uma vida de rotina
Que o escuro da vida severina
Foi severo com Severina Branca...

Pedro Torres

¹Licença poética no mote da Poetisa Severina Branca.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...