segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Nosso amor tem sinopse incompleta Na carcaça de um filme proibido

Nossa história de amor recebeu cortes
Como fazem no terror das ditaduras
Censuradas pra nós as cenas puras
Picotadas também as cenas fortes
E os pedaços do filme nos recortes
Não contavam de todo o amor vivido
Antes nós a tivéssemos resistido
Para vermos a cena mais completa
Nosso amor tem sinopse incompleta
Na carcaça de um filme proibido

Um romance de enredo tão bonito
Corrompido pela crítica pequena
Que julgava do amor a bela cena
E proibido, o filme ficou restrito.
No telão só passavam o delito
Que as duas almas haviam cometido
Com o fim prematuro decidido
E na tela uma mensagem indireta
Nosso amor tem sinopse incompleta
Na carcaça de um filme proibido

No cinema do amor já sem ingressos
O bilhete custando 'olhos da cara'
Atrasados para ver a cena rara
Desses dois criminosos réus confessos
Esses filmes de amores são sucessos
E a plateia aguardava o rugido
Do leão da Metro e o tinido
Da moeda que a pipoqueira engaveta
Nosso amor tem sinopse incompleta
Na carcaça de um filme proibido

Dois atores encenando no sertão
Um 'Romeu e Julieta' sertanejos
Davam tantos abraços, tantos beijos
Que a plateia vibrava de emoção
Sem saber o que ia no coração
Os atores seguiam o texto batido
Sem ligar para um peito ferido
Só cumprindo do script a sua meta
Nosso amor tem sinopse incompleta
Na carcaça de um filme proibido

Mas o ator apaixonou-se pela atriz
Resistindo, porém àquele enredo.
Por motivos diversos e por medo
Não diziam o que o script diz
Que se amavam e num final feliz
Sem haver cortes no filme exibido
Só depois de um beijo acontecido
Já na última cena, a mais secreta.
Esse amor tem sinopse incompleta
Na carcaça de um filme proibido

Continua...

Glosas: Pedro Torres
Mote: Mariana Véras
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...