sábado, 5 de janeiro de 2013

No teatro cruel da falsidade Eu já fui um ator considerado

Mote: Silvano Lyra Mauricea

Nesse palco da vida eu fui artista
Um ator de comédia iniciante
No papel de um grande figurante
Apaixonado pela protagonista
Ela atriz cruel e vigarista
Fez a luzes do palco apagado
Se fingia que havia enganado
Enganava na fala da verdade
No teatro cruel da falsidade
Eu já fui um ator considerado

Pedro Torres

Nossas cenas roubadas entre os atos
A cortina se abriu nessa estreia
Espantamos de vez toda plateia
E erramos os dois feito dois ratos
E a raiva cresceu entre os fatos
E os óscar de mim foi retirado
Eu tentei te gritar fiquei calado
Tu não sabe dizer o que é verdade
No teatro cruel da falsidade
Eu já fui um ator considerado

Dayane Rocha

Eu já fui da mentira o portador
Atuava na arte de iludir
Sempre fui talentoso pra mentir
Dedicado pra ser enganador
Até hoje me chamam traidor
E nem acho esse fardo tão pesado
Ainda sinto saudade do passado
Que eu podia exercer minha maldade
No teatro cruel da falsidade
Eu já fui um ator considerado.

Cicinho Moura
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...