segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Eu senti uma lágrima cristalina No mais doce sabor que tem no mar.

Numa tarde vazia de domingo
Eu sai para caminhar na praia
As meninas passando, tanta saia
Tantas cores que eu sequer distingo
Depois disso eu senti cair um pingo
Dessa água que veio de algum lugar
A saudade no peito a me rondar
Como fosse uma ave de rapina
Eu senti uma lágrima cristalina
No mais doce sabor que tem no mar

Quantos versos de amor eu fiz chorando
Esperando que uma dor passasse?!..
Mas, a lágrima que em meu peito nasce
Sai das margens de um peito sangrando...
Me peguei várias vezes em ti sonhando
Com teu jeito bem firme de abraçar
Com o calor que havia em teu olhar
E o brilho que tardas na retina
Eu senti uma lágrima cristalina
No mais doce sabor que tem no mar

Pedro Torres

No momento final da despedida
Quis provar outra vez da sua boca,
Minha alma sem ti já tava "oca"
Mesmo antes de ver tua partida.
Você veio, me olhou, disse: querida
Descobri que não posso te amar
Não mereces que eu fique a te enganar
Namorando uma outra noutra esquina:
Eu senti uma lágrima cristalina
No mais doce sabor que tem no mar

Te beijei pra guardar como lembrança
O sabor mais gostoso que senti,
Nesse beijo final eu percebi
Que esvaia meu resto de esperança.
Foi um beijo sem gosto e sem cobrança
Nem o mel poderia lhe adoçar,
Mesmo assim fiz questão de te beijar
Pra não ter um ataque de angina
Eu senti uma lágrima cristalina
No mais doce sabor que tem no mar.

Elenilda Amaral
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...