segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Eu senti um abalo no meu peito Era a bala passando de raspão

Nesse mote invocado da Poeta Dayane Rocha eu imaginei:

Embrenhei-me sozinho mata afora
Numa época de caça já distante
Procurando encontrar noutra vazante
Um amor que há tempos foi embora
Um querer que domina toda hora
As veredas desertas da emoção
Com a arma de amor do coração
Atirasse mas errasse o suspeito
Eu senti um abalo no meu peito
Era a bala passando de raspão

Nesse tempo de caça já passado
Tava ainda procurando uma virtude
Um querer de te amar que eu não pude
Por motivo do erro acumulado
Com a arma do amor, cano serrado
O teu tiro mudou de direção
Acertou bem no alvo da ilusão
Nessa mira da arma com defeito
Eu senti um abalo no meu peito
Era a bala passando de raspão

Pedro Torres

Fui o alvo esperando o tiro certo
Só bastava o gatilho pra puxar
Nos meus olhos os teus olhos pra mirar
Diminua a distância pra mais perto
Não precisa dizer que estou incerto
E eu topo te dar meu coração
Mais o vento mudou a direção
E o tiro não pôde ser perfeito
Eu senti um abalo no meu peito
Era a bala passando de raspão

Dayane Rocha
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...