quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Sejamos sempre amor.

Quando você sente raiva de alguém, basta se afastar, mas, e quando esse alguém é você mesmo, ou alguém que invade teus pensamentos e sonhos?

Pensa melhor então, pode não ser exatamente raiva o que você está sentindo. Talvez, algo bem maior que raiva, como amor.

Também pode ser apenas saudade, mas, se tá dentro de você a distância não existe, saudade também não é, logo, você tá 'fudido'.

Nada melhor que uma conversa franca, sincera, sem remorso ou mágoa, para tudo se aquietar da melhor forma.

O que é bonito deve ser preservado, sob pena de se transformar numa feiura insuportável, pois, consequência indissociável dos teus atos.

Boas lembranças podem alimentar bons sentimentos, mas, basta desrespeitar toda a entrega verdadeira, para azedar o que está no seu íntimo...

Uma ferida feita dessa forma, após aquele encantamento de antes, também é insuportável, como um rio lodoso alimentado por águas turvas.

Seja, pois, sábio e respeitoso com a sua essência, e converta seu amor em um amor ainda maior. Amores não findam, ajustam-se aos desejos.

A dor será apenas a do desejo contido, mas, o amor que houver irá converter essa dor em paz, calma e sentimentos fraternos...

Sejamos, pois, sempre amor.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...