quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

O cheiro de chuva trás Esperança ao sertanejo

No mote do poeta Josemar Rabelo eu disse:

Vendo céu todo nublado
Ameaçando chover
Antes do anoitecer
Para deixar chão molhado
Na varanda sentado
Antecipando o desejo
Sonha com o gotejo
Que um pingo torado faz
O cheiro de chuva trás
Esperança ao sertanejo

Logo o mundo silencia
Relâmpago risca o norte
Matuto pensa na sorte
De chegada a invernia
Uma rã faz cantoria
Tocando seu realejo
De repente, num lampejo
Toda mágoa se desfaz
O cheiro de chuva trás
Esperança ao sertanejo

No terreiro, um menino
Brinca fazendo algazarra
'Mangando' duma cigarra
Que já cumpriu seu destino
Quando um cheiro repentino
Incendeia o vilarejo
O céu todo em festejo
Manda um recado de paz
O cheiro de chuva trás
Esperança ao sertanejo

Nuvem cinza carregada
Se arrastando no céu
Romeiro pega o chapéu
Pra depois pegar estrada
Leva também a enxada
Pra abençoar no cortejo
Antes de ouvir o despejo
De uma chuva eficaz
O cheiro de chuva trás
Esperança ao sertanejo

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...