segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Na ação do tempo fui condenado À pena perpétua de saudade

Julgado sem direito defensor
Fui banido do país do coração
As juras que juraste com emoção
Foi carrasco cruel de um amor
E o tempo, nosso fiel promotor
Não teve nem dó, nem piedade
E sem fundamentos de idade
Fez o fim do amor ser decretado
Na ação do tempo fui condenado
À pena perpétua de saudade

Pedro Torres

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...