domingo, 30 de dezembro de 2012

Cavalgando nas asas do destino Eu soltei as rédeas da saudade


Agarravas com força meus cabelos
No galope seguravas pela crina
E o sopro da noite na neblina
Alisava as ondas dos teus pelos
Tu cedias sincera aos meus apelos
Me deixando cheiinho de vontade
Eu ficava sentindo a liberdade
Do teu jeito de amar bem feminino
Cavalgando nas asas do destino
Eu soltei as rédeas da saudade

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...