sexta-feira, 2 de novembro de 2012

Os garranchos da tua covardia

No mote de Val Patriota eu disse:

Comecei gostar de outro alguém
Tu não querias deixar acontecer
Jogaste terra no meu novo querer
Mas, tua terra não enganou ninguém
Ao invés, de amar e querer bem,
Tu fizeste uma grande confusão
Julgaste o poeta, sem razão,
Que amar outro alguém não poderia
Os garranchos da tua covardia
Arranharam demais meu coração


A raiva que revelas só mascara
Um amor que tu sentes disfarçado
Eu que tenho o peito calejado
Viro a face se me batem à cara
Escondo a dor de teres maltratado
Quem te ama muito além do limite
Não queiras me ver assim tão triste
Mostrando ao mundo uma rebeldia
Que eu bem sei não é de coração
Os garranchos da sua covardia
Arranharam demais meu coração

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...