domingo, 4 de novembro de 2012

Meu castelo de sonhos foi desfeito, no momento de sua despedida

O Poeta Manoel Filó deu o mote:

Meu castelo de sonhos foi desfeito
No momento de sua despedida

E dissemos:

Eu senti as lágrimas percorrendo
Todo o corpo íntimo de minh'alma
No entanto, segurei-me na calma.
Resistir-se inútil, de um ser morrendo!
E gelei de morte, ao ouvir-te dizendo:
- 'Estou indo: Sejas bem feliz na vida!'
Pois, nenhuma dor antes foi tão doída
Vendo os sonhos fugindo do meu peito
Meu castelo de sonhos foi desfeito
No momento de sua despedida

E fiz depois:

Foram poucos, eu sei, mas tu me deste
Os melhores momentos que eu vivi
Na quentura do abraço que eu senti
E nos versos bonitos que fizeste
E quem sabe pra nós ainda reste
U'ma esperança vagando aí perdida
Dos ardores que tive em minha vida
Foste tu, meu abraço mais perfeito
Meu castelo de sonho foi desfeito 
No momento da sua despedida

Pedro Torres

Você foi dividindo um grande amor
Cada qual carregou o seu pedaço
Mas lembrando da doçura do abraço
Fico eu padecendo á mesma dor
Na ausência do cheiro e do calor
A saudade encontrou a minha vida
Que até mesmo na hora da dormida
Vejo o sono partindo quando deito
Meu castelo de sonho foi desfeito 
no momento da sua despedida

Welton Melo

Não entendo qual foi a intenção
De viver um amor interrompido
Meu orgulho maior teria sido
Ver de perto a força da paixão
E o destino me pôs na contramão
Aumentando a dor dessa ferida
Foi nas idas e vindas dessa vida
Que eu provei do amor o seu efeito
Meu castelo de sonhos foi desfeito
No momento da sua despedida.

Nossa história de amor dilacerada
Me deixou esse gosto de distância
E meu choro formou a substância
Que percorre comigo na estrada
Quem um dia foi tua namorada
Para sempre será tua guarida
Eu vivi um amor pra toda vida
Num pedaço de tempo insatisfeito *
Meu castelo de sonhos foi desfeito
No momento da sua despedida.

Poetisa Mariana Véras

Os versos em itálico desta última estrofe formam o mote que falamos aqui.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...