sábado, 17 de novembro de 2012

Meu amor se embriaga na lembrança Minha mente se entrega na tontura

No mote belíssimo da poetisa Mariana Véras eu disse:

Nosso querer é sublime e ardente
Um amor que não fica no papel
As nossas juras de um amar novel
São cristalinos cravados pela mente
Na garrafa do querer da aguardente
É um trago bem quente da quentura
Que se bebe com goles de ternura
Enquanto o sonho da gente se balança
Meu amor se embriaga na lembrança
Minha mente se entrega na tontura

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...