segunda-feira, 5 de novembro de 2012

E, nem...

No mote da poetisa Mariana Véras eu tentei dizer:

Do que dizes tu escondes a metade
Nesses teus paraísos artificiais
Não são páreo pras coisas naturais
De quem gosta do gosto da verdade
Eu, no banquete farto da liberdade,
Hoje tenho muita fruta pra provar
Os sabores que aguçam o paladar
Nem imaginas o doce que eles têm
"Não perguntes pra mim se estou bem
Se não tens intenção de me escutar"

Tu me cobras amor sem ter direito
Não respeitas as coisas da idade
Se hoje vivo distante da cidade
É em busca do sonho em meu peito
Só o que vejo em é ti é preconceito
De planos não quereres respeitar
E, se eu decidi outra coisa estudar
É porque quero muito ir mais além
"Não perguntes pra mim se estou bem
Se não tens intenção de me escutar"

Teu pensamento velho, ultrapassado
Não encontra mais guarida no meu leito
De vivermos esse amor não achei jeito
O que havia entre nós já é passado
Eu não quero alguém preso ao meu lado
Que não aceita o meu sonho realizar
Por teu querer só pretendias evitar
Que um dia eu viesse a ser alguém
"Não perguntes pra mim se estou bem
Se não tens intenção de me escutar"

Não me espanta o teu querer diverso
De não querer ver meu sonho realizado
Pois, não se espante de ser menosprezado
Se a sua vida não cabe no meu verso
As estrelas que povoam o universo
São mais fáceis de a gente enxergar
Quando o mundo não quer mais clarear
Todas as cores que o infinito tem
"Não perguntes pra mim se estou bem
Se não tens intenção de me escutar"

Pedro Torres
Mote de Mariana Véras
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...