quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Cachorro morto


- Eu ia andando no mato. Tive medo de uma sombra horrorosa e atirei no monstro. Mas, era apenas um cachorro morto. Não sei o que me levou a confundir um cachorro morto com um monstro. Não uso drogas de nenhuma espécie, então, é mais provável que tenha sido algo relacionado ao cheiro. Confundi o cheiro da carniça com o fedor do enxofre. Senti muito medo, e atirei. Não vejo outra explicação, só pode ter sido isso, pois, foi assim que se deu.

- Depois, já refeito do medo, percebi que era apenas um cachorro do mato, daqueles vagabundos da minha terra: um boca-preta.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...