terça-feira, 11 de setembro de 2012

Águas da poesia

Vez por outra, no semiárido nordestino, uma flor brota inesperadamente em meio a caatinga selvagem. E, muitas vezes, esse fenômeno ocorre justamente no período da estiagem, ou estação seca.

Como não podia deixar de ser, o povo sertanejo, vê nesse sinal, obra da criação divina.

Do mesmo modo parece acontecer com os poetas, vez por outra, surge daquele lugar uma poesia belíssima que de tão singela parece mesmo ser coisa do criador da natureza.

E assim se deu com esse verso o poeta Roberto Campos, trazido à nós pela poetisa Thaís Nunes:

'Amores são águas doces
Paixões são águas salgadas
Queria que a vida fosse
Essas águas misturadas
Eu que já fui afluente
Das águas da fantasia
Hoje moro mansamente
Nas águas da poesia'

Poeta Roberto Campos
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...