sexta-feira, 13 de julho de 2012

Café da tarde

Cinco horas da tarde mãe fervia
Um café lá no nosso casarão
Aromático o café “morto” em pilão
Visitava os dez vãos da moradia.
Mesa posta, família e alegria
Mãe servia o café com brevidade,
Foi-se tempo e esse cheiro ainda invade
Feito nódoa do tempo que não sai
Cai a tarde, o sol desce, o dia vai
Nasce a noite no colo da saudade.

Poeta Lima Júnior

2 comentários:

  1. O CAFÉ NOSSO
    DE TODO DIA

    Poeta, a sua poesia
    É um retrato em preto e branco do passado
    Que nos deixa com o paladar bem aguçado
    Viajando nessa nostalgia
    Eu também, me recordo daqueles dias
    Isso vive na minha mente bem presente
    Mamãe coando um cafezinho bem quente
    Depois servia na mesa numa chaleira
    O seu aroma percorria a casa inteira
    Perfumando ambiente por ambiente.

    Amirado patriota
    patriotajp@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Bonito poeta!

    Obrigado pela generosa contribuição.

    Abraço!

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...