sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Setelinhas

Brás Costa

Vivo como um passarinho
Que quer cantar e não canta.
Quando vai nascendo um verso
Vem a saudade o suplanta.
Antes de nascer direito
Ou morre dentro do peito
Ou se entala na garganta.

Jessé Costa

Essa conversa me espanta
Fico mesmo abestalhado
Pois se teu verso que sai
Todos faz admirado
Esse teu verso que entala
Se um dia sai, abala
E deixa o mundo virado!

Felipe Júnior

Mesmo bem metrificado,
Os versos que vem de Brás,
Tem a coerência exata
Que se iguala aos geniais;
Faz com sentimentalismo,
Com força e com dinamismo,
Versos que a gente não faz.

Michael Moreira

Isso é por que meu amigo,
Um passarinho não canta
Morando longe do "ninhô"
A saudade lhe espanta
Mais volte logo pra casa,
Que essa distância atrasa
A inspiração que é tanta

Pedro Torres

Essa vida de gaiola
Brás, eu sei bem o que ela é!
É dor que se agiganta
Dando um abalo de fé.
Essa tormenta é tanta,
Que trava verso, não canta,
O poeta de São José.

Peleja em andamento!...

2 comentários:

  1. QUE BELEZA POETA!!
    ESTE BLOG É DEZ!!
    PARABENS.

    ResponderExcluir
  2. Valeu, Poeta!

    Seja bem vindo ao nosso Decanto de Poetas, sua opinião e contribuição contam muito.

    Grande abraço,

    Pedro Torres

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...