domingo, 8 de agosto de 2010

MARCAS

O ponteiro da saudade
Arranhou meu coração.


(Mote de Bira Marcolino)


As torres da minha infância
Já se perderam de vista
Uma nuvem saudosista
Aumenta mais minha ânsia
Com tamanha relevância
Que em tal situação
Vou buscar na oração
Cura pra senilidade
O ponteiro da saudade
Arranhou meu coração.

A minha mente inda guarda
As imagens do passado
Do meu sertão adorado
Que ficou na retaguarda
Cabeleira, outrora parda,
Hoje parece algodão.
Só a minha inspiração
Aumentou mais da metade.
O ponteiro da saudade
Arranhou meu coração.

A saudade, moça branca,
Acoitou-se no meu peito
Fechando a porta dum jeito
Que não tem quem quebre a tranca.
Só a poesia franca
Percebe a minha aflição
A rima, com seu condão,
Mantém minha liberdade.
O ponteiro da saudade
Arranhou meu coração.

Glosas: Wellington Vicente

Porto Velho-RO, 1° de agosto de 2010.
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...