domingo, 2 de maio de 2010

Ardil

Passaste por mim tal furacão
Fiquei bem no meio da tormenta
Onde tudo era profunda calmaria

Ora quando te vais à ventania
Nada de paz me alimenta
À tortuosa aragem do coração

As frases descolam-se do centro
Já não quero ficar no mesmo antro
Que te achas nesse meu dia tristonho

Senti falta de ti mesmo presente
E só agora que ficaste ausente
Sinto o frio ser enganoso, de tão quente...

Do que estou a rir às gargalhadas
Inda casto alheio às madrugadas
D’onde partiriam tantas alegrias...

É que preciso ler um poema teu
Com um triscado de saudade
Até uma pitada de liberdade

Algo que caiba no peito meu
Como o silêncio dessa noite fria
Ou, a noite desse tenebroso dia

Pedro Torres

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...