domingo, 24 de janeiro de 2010

Dom de Poesia, Poeta Welton Melo

Quando a voz que ecoa no meu peito
Sussurrar o seu verso derradeiro
E eu sentado encostado ao travesseiro
Fabricar um poema com defeito
Quando alguém me ouvir com preconceito
Pondo em dúvida a origem do meu hino
Pedirei com clamor ao pai divino
Me carregue do mundo dos mortais
Quando a luz do meu dom não brilhar mais
Deus ascenda o farol do meu destino

Quando a mina de verso se esgotar
E o meu nome cair no esquecimento
Tornar-me-ei um poeta sem talento
De sequer um soneto improvisar
Mas quem sabe alguém possa se lembrar
De um poema que fiz quando menino
E afirme com força, garra e tino
Que eu também já fui bom, anos atrás
Quando a luz do meu dom não brilhar mais
Deus ascenda o farol do meu destino

Poeta Welton Melo

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...