terça-feira, 22 de dezembro de 2009

[Estações – Inverno]

O que diria o verão com a chegada do inverno,
Acabaria este inferno, dentro do meu coração?

E na terra, inda seca, pra ficar molhada
Chovesse, derramando-lhe com rigor
Extraordinárias gotas de chuva, pesada
E de outra nuvem, lenta, carregada
Brotasse um poema iluminado de amor?

Eu não suportaria a saída
Desse imenso precipício!
Mas, porque desde o início
Essa força tão entranha
Leva-me aos montes
Mais altos e verdejantes?

Se me fazes temer o abismo,
Diz-me porque tanta coragem
De seguir esse longo caminho
Tocando a minha viagem...

Talvez eu soubesse a razão...
Ser, a dita felicidade,
O meio e não o fim
De tudo que há em mim.

E contigo eu vivo, sempre
Sorvido pela paixão...
Gigantesco, tal o oceano
De muitas praias belas
Que vivem em solidão.

Receber de caudalosos rios
A água doce da chuva
E causar-lhe um destempero

Uma poesia interrompida
Pelas quebrantas da praia...
Do que houve em nós

E o que nunca aconteceu
Não é o sonho que morreu
É a morte do sonhador,
E o pranto das virgens todas.

É quando uma lágrima salta
Sentindo o abraço que falta
Que a tristeza se aproxima...

E nos traz de volta a vida
Numa grande inundação
Último ato da estação.

A constante fonte de luz,
Será depois da partida
Essa distância sem valor,
Que nos dá esse penar.

Só depois da despedida
Tudo há de começar
E compreenderás a dor.


Já é chegado o momento
De te falar do sentimento
Que nunca há de acabar

Em nós novamente soar
A música do nosso amor.
Lembrada daquele vento...

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...