quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Portais do pensar

Mesmo que tranque
Os portais do mundo
Não vislumbrando
O crepúsculo das
Tenças auroras,
Vou rompendo prantos.

Descerei numa fingida
Indiferença de cânticos,
Até que teu corpo
Rompa arfante e belo,
Pela vereda iluminada
Dos teus flancos aparentes.

Transvisto o anjo obsceno
Mergulhando no ofício do ímpio.
Disperso um pensar, um olhar, um gesto.
Sou reverso do que já fui e não sou mais.
Meu corpo é uma ruína do passado, sem beleza,
Acobertando uma ardente ousadia.

Minha silhueta e a tua se confundem,
Num turbilhão de sons e sombras.
És a fêmea da cultivada alegria carnal;
Sou o macho singular tangendo êxtases.
Debruçado na ânsia de uma agonia
Vou profanando tuas entranhas.

Meu conflito é eterno,
Pois não consigo expulsar a volúpia.
Sou o fracasso aniquilado
Sem sonhos ou rebeliões,
Num ritual de esquecimento,
Condenando a grotesca máscara do ser.

Josimar matos
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...