quarta-feira, 29 de julho de 2009

Sem nome

Eu soube de tuas setas
Fiquei até sem palavras...
Ao ouvir por tuas lavras
Das juras suas secretas

Que por minhas portas abertas
Entrara o amor que incendeia
Nesse coração que alardeia
Desde as searas mais desertas

À cidade mais cosmopolita
És a morena mais bonita
Que tem lá na minha aldeia

Essa distância não existe!
E é mentira que estou triste!
É tudo um ledo engano!

Esse teu nada de essência,
Essa dor te tua ausência,
É o meu mais puro insano.

Pedro Torres

2 comentários:

  1. ahaahhaahaaahaha!!!
    esse quando nasceu eu estava na sala de parto...
    lindo poema mais uma vez seu senso poetico exalando frases pra essa magnifica diva...

    dale pedro

    ResponderExcluir
  2. Divergência

    Seja grosseira, me responda aos gritos
    Encha de mágoa o meu interior
    Seus seios virgens, quentes e bonitos
    Também tiveram culpa em minha dor

    Sem machucar os corações aflitos
    Deve ser muito bom morrer de amor
    Seus olhos mostram dois aerólitos
    Enfeitando o espaço ao sol se pôr

    Já que não posso merecer seu porte
    Fico parado condenado a sorte
    Que não nos trouxe condições iguais

    Eu não sou cofre de guardar segredo
    Ou tive culpa de nascer mais cedo
    Ou foi você que demorou demais

    Manoel Filó

    ResponderExcluir

Direito à Réplica Poética...