quinta-feira, 30 de julho de 2009

“A morte está enganada, Eu vou viver depois dela”.

Quando eu partir deste abrigo
Seguir à mansão sagrada,
A morte está perdoada
Do que quis fazer comigo,
Quis que eu fosse igual ao trigo
Que ao vendaval se esfarela,
Mas eu vou passar por ela
De cabeça levantada
“A morte está enganada,
Eu vou viver depois dela”.

Manoel Filó
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...