quinta-feira, 16 de julho de 2009

[Estações - Outono]

Caiu-se por terra meus sonhos,
E da árvore frondosa as folhas.
E despida de todos os pudores
A vi desnuda de quaisquer ares.

Jaz no chão, agora mais fecundo:
Todas suas flores antes cheirosas
E o idealizar deste poeta errante.
Peregrino desta trilha de húmus...

Fecundar a Terra em novo chão
Enfrentar feras, alimentar o cão
Vigília amiga do corpo cansado
E armo a rede segura e durmo.

E ali dos mais altos patamares,
Descubro um bocado de pano.
É linho branco puro estendido
São meus amores desertos, uno.

Já desejar somente não basta
E se na primavera não partira
E fosse aqui à quadra partida,
Enterrar-se do cadáver fedido.

Sob uma frutífera planta vil
Dês que frutos doces dera.
E o infeliz poeta primaveril
Morto fertilizasse a Terra.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...