sábado, 11 de julho de 2009

Abertura

Afasto-me desconcerto,
Sinto o chegar taciturno,
Do algoz invólucro meu...
Condenadas reticências!

O caldeirão de canalhas,
O Dono de todo o fosso,
Espúrios do rei deposto,
Ateares o seu desgosto.

Alguém dera ferir-me,
Com uma falsidade vã
Ao participar da carne
Da cura, parca e podre.

E despedaçado fiquei.
Convidarei à sua taça!
E bem naquela praça,
Venha e encontrarás.

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...