terça-feira, 28 de abril de 2009

Neste mesmo dia de abril

E de tanto esperar respostas, do Olympo
Começou a duvidar do que sinto
E provou exageradamente o maldito "absinto"
Com gosto amargo de baunilha e sãndalo

Aí do céu as cores multiplicaram-se, e seus pés mais velores
Sua pálidas faces rubraram, d'onde sangue lhes restasse
E amaldiçoei tudo que de Sócrates se bebeu e não sobrou
Até quem bem alto meu espírito voou e fato consumado

(...)
A brisa cessou, o tempo fechou e estremeçeu o Templo do Herege
De longe a notícia Terríficante
as malditas larvas do fundo mais profundo
E o imundo do mundo mais imundo
(...)

Sentindo só a dor e a delícia
E o anjo caído celebrando sua leva e sua lavra
Colheita de tolo, almas sebosas
Leva contigo e torra no teu próprio fogo que mando vir tir buscar!

Ameen

Pedro Torres
Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Direito à Réplica Poética...